Buntic foi o MVP by Vitalcin

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O guarda-redes integrou todas as equipas ideais da jornada e recebeu a distinção alusiva patrocinada pela Vitalclin. “Foi a melhor exibição em Vizela porque valeu três pontos”, explicou.

Jogador da semana para “A Bola”, equipa ideal da semana em “A Bola”, “Record”, “GoalPoint”, “MaisFutebol/Sofascore”, “Zerozero” e “LigaPortugal”. A exibição de Buntic contra o Portimonense SC foi de encher o olho e destacada por toda a imprensa nacional. Para os adeptos do FC Vizela, também foi ele o melhor em campo e por isso mesmo o guarda-redes croata esteve na Vitalclin, match-sponsor do jogo em questão para receber a distinção alusiva ao desafio. “Não foi a minha melhor atuação, mas a mais importante, pois neste jogo as minhas defesas acabaram por valer a vitória para o Vizela. As outras boas atuações, como por exemplo no Benfica ou em Braga, acabaram por não resultar em pontos: Por isso escolho esta como a melhor exibição”, disse à Imprensa.

Bunta, como é conhecido pelos colegas, está muito feliz em Vizela. E tudo começou na adaptação. “O mais importante era adaptar-me ao esquema do treinador, ao país, à cidade e ao espírito das pessoas com quem trabalho e convivo em Vizela e acho que isso já consegui adaptar-me muito bem. Ao fim de duas semanas parecia que já estava cá há dois meses”, sublinhou. “Vim para Vizela para tentar melhorar o meu nível e afirmar-me nesta Liga. Penso que tenho conseguido, mas ainda há muito para melhorar. Penso semana a semana e não a longo prazo. Agora o Casa Pia”, avisou.

Com o objetivo imediato de “continuar a ajudar a equipa”, Buntic pensa na Seleção da Croácia. “Mas depois”, avisa. “Para já é o Casa Pia.  Sei que a Seleção não é para já, então estou a dar o máximo. Se fizer as coisas bem, é um objetivo. Gostava muito”, frisou, antes de contar o episódio que mais o marcou em Portugal, que diz muito da cidade de Vizela. “O momento mais marcante não foi um jogo, foi a chegada de autocarro ao primeiro jogo em casa. Estávamos a entrar na cidade e só via pessoas a acenar, a gritar, a apoiar, vestidos à Vizela. Estou habituado a cidades maiores e nunca vi esta proximidade. A ligação entre cidade, clube, pessoas é muito grande e encanta-me. Além disso, é fantástico sentir o carinho das pessoas quando me encontram”, elogiou.