“Vitória justa que espelha o nosso crescimento”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Álvaro Pacheco analisou a vitória do FC Vizela em Vila do Conde (1-0) contra um Rio Ave que começou melhor mas não teve muitas oportunidades.

“A maturidade que ganhámos na época passada” explica o resultado, considerou o treinador, que explicou ainda as opções que tomou, como a titularidade de Opeyemi em detrimento de Nuno Moreira e deixou uma dedicatória muito especial.

ANÁLISE AO JOGO: “Penso que a vitória nos assenta bem, porque controlamos sempre o jogo. No início não foi bem assim, também não foi bem estratégia, mas sentimos que era importante ter segurança para ir crescendo no jogo. O Rio Ave vem com a equipa da época passada, com ideias muito atrativas do seu treinador e, jogando em casa na estreia esta época, ia querer entrar muito forte. E entrou. É verdade que a melhor ocasião do jogo nessa fase é nossa, mas criaram-nos algumas dificuldades. Depois crescemos, controlamos, ganhamos confiança e fomos melhores, tivemos mais e melhores ocasiões e merecemos ganhar.”

TRUNFOS GUARDADOS: “A pré-época serve para nos prepararmos para o primeiro jogo e foi o que fizemos. Os resultados nessa fase não foram importantes. Os jogadores foram evoluindo e crescendo. Foi esse crescimento, de saber o que fazer na adversidade, que nos ajudou. Estivemos muito bem.”

DIFERENÇAS PARA A ESTREIA NA I LIGA: “Eu e a equipa estamos mais preparados. A experiência do ano passado deixou-nos mais preparados. A nossa vida de treinador é estarmos sempre preparados para aprender, porque o futebol está sempre a evoluir. A nossa identidade criou-nos desconforto em alguns momentos, fomos fiéis, mas criou algum desconforto. Mas era importante passar por isso, foi importante para a equipa. Hoje mostramos essa maturidade, esse crescimento. Acredito que ao longo da época vamos conseguir manter isso.”

OPEYEMI/NUNO MOREIRA: “O Opeyemi tem evoluído muito. Podia meter o Nuno como titular e o Kiko a ponta-de-lança, mas senti que no início o Rio Ave nos podia criar dificuldade e ter o Nuno, Sarmiento e Cann no jogo permitiam-me mexer com o jogo. Uma coisa é o Nuno aguentar os 90 minutos e poder não conseguir mexer com o jogo na parte final. Outra era entrar na segunda parte e conseguir fazê-lo. Correu bem. Vida de treinador é assim, às vezes acertamos, outras não. Depois jogou o Alejandro, entrou muito bem para ponta de lança, não só a fechar linhas de passe, mas a saltar na pressão e ainda criou uma excelente oportunidade. É também um sinal para a equipa. Eu gosto é de rendimento. Tenha 17 anos ou 30 anos, se tiver rendimento e morrer pelos ideais do FC Vizela, pode jogar.”

DEDICATÓRIA: “Este jogo era especial porque dia 5 fez 40 anos sobre uma data importante em Vizela, que diz muito sobre o povo vizelense, um povo de luta, ambicioso, que não desiste. Tínhamos de dedicar estes três pontos a toda a família vizelense. Mas também a duas pessoas especiais, fundamentais para o crescimento do FC Vizela. Refiro-me ao presidente Diogo Godinho e ao vice-presidente Gonçalo Moreira. É para eles e para a família vizelense.”