Dois foguetes, mas faltou a festa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Exibição muito personalizada do FC Vizela no Estádio do Dragão. Apesar da desvantagem de 2-0, a equipa conseguiu empatar e discutir o resultado até perto do fim. O 4-2 que matou o jogo surgiu apenas aos 87 minutos.

O FC Vizela perdeu por 4-2 em casa do FC Porto, mas deixou uma excelente imagem e discutiu o resultado até perto do fim. E nada o faria prever quando aos 28′ já perdia por 2-0. A verdade é que também nada justificava isso nessa fase do jogo. O FC Porto entrou com mais bola, como é natural, mas com a exceção de um corte de Anderson (10′) a evitar o desvio de Taremi, o FC Porto não conseguiu ser perigoso. E a verdade é que o golo não se adivinhava propriamente. O 1-0 nasceu de um má reposição do guarda-redes Pedro Silva, aos 21′, que bateu contra Evanílson e viu, depois, o brasileiro faturar. E ainda a equipa não estava refeita da desvantagem e já estava a sofrer o segundo, por penálti assinalado a Schettine, estavam decorridos 28 minutos.

Vida muito difícil para o FC Vizela, mas resposta extraordinária. A equipa soube colocar gelo no jogo, assumir a sua identidade e começou a aproximar-se das zonas mais adiantadas no terreno. E foi sem pedir licença que Alex Méndez, aos 36′, fez um golaço do meio da rua. O FC Vizela estava vivo no jogo e saía para o intervalo com esperanças renovadas, especialmente porque travou o ímpeto portista nos últimos 10 minutos do primeiro tempo. E mais as ganhou aos 49′, quando Nuno Moreira recebeu na esquerda, fletiu para o meio e disparou para o empate. A bola ainda desviou em Mbemba, mas o momento foi igualmente muito bom.

O FC Porto tentou reagir de imediato, mas a equipa vizelense estava bem e serena no jogo. O 3-2 volta a surgir numa fase em que o FC Porto não conseguia criar perigo, aos 56′. Cruzamento largo para Mbemba, que, numa posição recuada, acaba por rematar e surpreender Pedro Silva. Depois o jogo seguiu na fase mais equilibrada com bola, mas mais desequilibrada em ocasiões, que o FC Porto teve então. Aos 72′, Pedro Silva faz uma grande defesa a remate de Evanílson; aos 85′ evitou as tentativas de Galeno e Uribe, este em excelente posição. E aos 87′ também começou por impedir Taremi de marcar, mas o iraniano foi expedito na recarga e sentenciou o desafio. Até então o FC Vizela esteve sempre na discussão, a pressionar em todo o campo com uma atitude de grande mérito.

FICHA TÉCNICA

FC Porto 4-2 FC Vizela

Local: Estádio do Dragão (46.830 espectadores)

Árbitro: Manuel Mota (AF Braga)

Assistentes: Jorge Fernandes e Nuno Eiras

4º Árbitro: Carlos Macedo (AF Braga)

Vídeo-Árbitro (VAR) / AVAR: Tiago Martins (AF Lisboa) / Bruno Jesus

FC Porto (4x4x2): Diogo Costa; Pepê, Mbemba, Pepe (C) e Zaidu (Wendell, 59’); Otávio, Vitinha (Stephen Eustáquio, 88’), Marko Grujic (Matheus Uribe, 45′) e Fábio Vieira (Francisco Conceição, 59’); Evanílson (Galeno, 79’) e Taremi.

Suplentes não utilizados: Marchesín, Fábio Cardoso, João Mário e Toni Martínez.

Treinador: Sérgio Conceição

FC Vizela (4x3x3): Pedro Silva; Igor Julião (Koffi, 88’), Anderson, Ivanildo Fernandes e Richard Ofori; Claudemir (Raphael Guzzo, 22’), Alex Méndez e Samu (C); Kiko Bondoso (Sarmiento, 88’), Schettine (Zohi, 73’) e Nuno Moreira (Guo Tianyu, 88’).

Suplentes não utilizados: Ivo Gonçalves, Aidara, Maviram e Alejandro.

Treinador: Álvaro Pacheco

Golos: Evanílson (21’), Taremi (28’, g. p. e 87′), Alex Méndez (36’), Nuno Moreira (49’) e Mbemba (56’).

Cartões Amarelos: Igor Julião (2’) e Marko Grujic (38’).

“Saímos a perder, fizemos o primeiro, depois o segundo e acreditamos sempre. Esta equipa nunca se rende”

Alex Méndez (jogador do FC Vizela)

“Viemos jogar para ganhar e isso ficou evidente. Não é fácil recuperar de 2-0 no Dragão e acreditar até ao fim que podíamos pontuar”

Álvaro Pacheco (treinador do FC Vizela)