“Acredito que podemos vencer”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Álvaro Pacheco quer acrescentar “concentração” ao jogo do Vizela e manter a identidade para defrontar um Estoril que aprecia bastante. O jogo é sábado às 18 horas.

O treinador do FC Vizela lançou hoje a deslocação ao Estoril, jogo a contar para a 28ª jornada da Liga Portugal. O adversário é um velho conhecido e os últimos três jogos entre as duas equipas deram empates. A ideia é agora somar três pontos, apesar do reconhecimento do valor do adversário e do seu treinador, Bruno Pinheiro.

Antes de a conferência se iniciar, Álvaro Pacheco fez questão de felicitar a Seleção Nacional. “Antes de mais queria deixar uma mensagem de parabéns à nossa Seleção, ao selecionador, à Federação Portuguesa de Futebol pelo excelente desempenho. É um orgulho estarmos no Mundial e podermos continuar a sonhar juntamente com todos os portugueses”, vincou. Depois então falou sobre o Estoril-Vizela.

EXPECTATIVAS PARA O JOGO: “Mais do que nos ficarmos no nosso adversário, temos de nos focar em nós e naquilo que nós queremos. E o que queremos é um Vizela corajoso para defrontar um adversário com uma ideia muito bem vincada, que não abdica da sua essência e da sua identidade, muito também por culpa do excelente treinador que tem, que incutiu uma mentalidade vencedora, uma mentalidade campeã e tem feito um trabalho excelente nos últimos dois anos. É uma equipa com uma identidade bem vincada, que se sente confortável com o jogo pressionante. Nós temos de ser Vizela, estarmos tranquilos e serenos para ultrapassar o adversário. Mas vai ser um excelente jogo, entre duas equipas que vão querer ganhar e têm caudal ofensivo. Vai ser um excelente jogo para assistir. Estando ao nosso nível, acredito que somos capazes de trazer pontos. Podemos ganhar”

SETE JOGOS SEM VENCER: “Estar na hora de ganhar está sempre, porque é o próximo jogo e faz parte da nossa essência. Se olharmos para esses jogos, com exceção do Santa Clara, estivemos sempre próximos de vencer e tivemos um bom desempenho. Podemos ver o copo meio cheio ou meio vazio. Não fomos capazes de ganhar, mas de que forma nos comportamos? A que nível estivemos? O que deixa confiante como líder é termos estado sempre muito bem, mais perto de ganhar do que de perder, com a exceção do tal jogo com o Santa Clara. Nos últimos dois jogos só fizemos dois pontos, mas um em casa do Benfica, candidato ao título. O que vejo é que a equipa está-se a preparar para ganhar”

TRABALHO PSICOLÓGICO: “Não tenho sentido essa necessidade. As incidências que vão ocorrendo fazem parte da vida. Nós temos é de ser capazes de nos adaptar e perceber o que temos de acrescentar ao nosso jogo. Nesta fase o que o nosso jogo pede é aumentarmos os índices de concentração, minimizar os erros, porque nesta fase as equipas são muito penalizadas. O mais importante é estarmos tranquilos e serenos a fazer o nosso jogo. Quando nos agarramos ao nosso jogo e temos coragem, determinação e foco as coisas acabam por acontecer. Não tenho dúvidas que pelo que estes jogadores têm vindo a fazer, vamos cumprir o nosso objetivo”

DIFERENÇAS PARA O JOGO DA PRIMEIRA VOLTA: “Espero um jogo parecido, com duas equipas a tentar dominar o jogo, com estilos muito diferentes mas muito bem vincados pelos seus treinadores. São duas excelentes equipas e os jogos entre elas são sempre muito emotivos. Ambas as equipas gostam de comandar o jogo, de atacar com equilíbrio. O Vizela estará por cima, o Estoril vai estarf por cima… Temos é de estar estáveis e confiantes.”

ADEPTOS EM FORÇA: “É verdade. Não há palavras para descrever esta família, esta envolvência e o que trouxeram ao futebol português. Farão parte do espetáculo”