Álvaro Pacheco: “O resultado é justo, mas não foi o nosso pior jogo”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Treinador reagiu na flash-interview à derrota com o FC Porto e apontou a uma rápida resposta da equipa, já no próximo jogo. Mau começo do jogo na génese do resultado pesado.

Álvaro Pacheco lamentou a derrota com o FC Porto, mas aponta já ao próximo desafio. Eis a flash-interview do nosso técnico.

DERROTA PESADA: “O FC Porto foi melhor, entrou muito forte e chegou cedo à vantagem. Não concordo que tenha sido o nosso pior jogo, especialmente tendo em conta as incidências do jogo. Mesmo com o FC Porto por cima e a empurrar-nos, nunca abdicámos de tentar, nunca nos desvirtuámos nem perdemos a coragem de tentar chegar à baliza. Tínhamos que ser compactos defensivamente para conseguir ganhar, principalmente nos momentos de transição do FC Porto, mas não conseguimos. Foi precisamente aí que o FC Porto fez golos. A perder 2-0, era importante tentar marcar, tentei organizar a equipa para isso, sobretudo a controlar a profundidade. Com bola, fomos capazes de ligar, só faltou perceber melhor os espaços. Depois da expulsão do Schettine o FC Porto controlou”

FALHAS DEFENSIVAS:O objetivo era que a nossa linha defensiva entendesse que era atraída para a pressão e o FC Porto queria aproveitar a profundidade. Tínhamos que ajustar na recuperação das segundas bolas, mas o FC Porto entrou forte, muito sério, ganhou moral, fez dois golos e jogou sempre num ritmo alto.”

FUTURO:Saio satisfeito em relação à crença e disponibilidade dos jogadores. Damos sempre uma grande resposta quando temos um resultado negativo. Tem sido assim e acredito que isso vai acontecer no próximo jogo. Mantivemos a nossa identidade. Os sócios e adeptos podem estar descontentes com a derrota, mas viram uma equipa que nunca desistiu.”

SCHETTINE: “Ainda não vi as imagens. Sei que os meus adjuntos julgam ter sido sem intenção, mas foi de pitões…Não acertou na bola, mesmo tendo esse objetivo, e viu cartão vermelho. Mas sei que os meus jogadores são leais, não têm maldade e esse lance foi involuntário”