Álvaro Pacheco: “Queremos ganhar e o segredo é saber o que fazer com bola”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O treinador do FC Vizela lançou a receção ao FC Porto em conferência de imprensa e apontou à vontade de vencer da sua equipa. O adversário é “muito forte”, mas o Vizela deve manter a identidade. “Isso é o mais importante para quem quer ganhar”, notou.

Álvaro Pacheco não deixou nada por dizer na antevisão do jogo com o FC Porto (amanhã, dia 19/12, às 19 horas). O treinador recordou a vitória em Arouca, o passado desta equipa, dissecou o adversário, falou sobre a ausência de Sérgio Conceição e muitas coisas mais. Mas nunca se desviou do foco que os jogadores devem seguir: coragem porque em Vizela só se pensa em ganhar. Leia tudo:

EXPECTATIVAS PARA O JOGO: “Acredito que seremos uma equipa corajosa, que vai disputar os três pontos, especialmente em frente aos nossos adeptos, algo que nos agrada. O adversário é muito forte e difícil, com qualidade, bem orientado, intenso, também à imagem do seu treinador.  Penso que vai ser um jogo emotivo, estrategicamente bonito no sentido de ver como as duas equipas vão tentar impor no jogo. São duas equipas que olham para a baliza, por isso antevejo um jogo com golos.”

APOSTA NA SURPRESA: “Aposto naquilo que somos capazes de fazer. E sei que temos de ser uma equipa à nossa imagem, determinada e corajosa. Sabemos que haverá momentos que não conseguiremos controlar, mas temos que nos organizar. A equipa tem dado sinais de crescimento. Mais uma vez tivemos uma semana de trabalho muito boa, abordámos os pontos essenciais e não deu para tudo. A resposta dos jogadores foi super positiva. Acredito que será um jogo muito bom e temos de estar no máximo das nossas capacidades e, principalmente, muito fortes em termos mentais.”

ANÁLISE AO FC PORTO: “Este é um FC Porto muito forte. Nesta Liga é a equipa com mais posse de bola, com mais remates, que mais vezes chega à área adversária, só não tem mais golos porque o Benfica fez sete ao Belenenses. Defensivamente é a equipa que menos remates consente, a equipa mais forte nos duelos individuais entre os grandes. Isso eu espero. Agora as nuances táticas do jogo também dependem do Sérgio Conceição. Mas nós temos de nos focar no que somos capazes de fazer e estaremos preparados para qualquer situação.”

ESTABILIDADE DEFENSIVA: “Temos de ser compactos e defender muito bem não só a largura, como a profundidade, porque FC Porto é muito forte a atacar esse espaço e também nos momentos sem bola. Temos de estar bem posicionados para sermos eficazes nas coberturas, mas o grande desafio dos nosso jogadores é saber o que fazer depois de ter a bola. Se queremos ganhar, esse é o segredo”.

ADEPTOS: “Acredito que estaremos em maioria, tem sido assim e acredito  que voltará a ser assim. Os adeptos do Vizela têm-se dado a conhecer ao futebol pela forma como apoiam, mas também pela forma de estar, a forma como transmitem a sua paixão à nossa equipa e no respeito que têm pelo futebol. Para nós é um orgulho termos os melhores adeptos do futebol português.”

AUSÊNCIA DE SÉRGIO CONCEIÇÃO: “Estes espetáculos só fazem sentido com todos os intervenientes. É como ir ver uma orquestra e o maestro não estar. Eu gosto de estar e não gostei quando fiquei de fora. E estar junto dos jogadores é importante, a nossa comunicação verbal e até gestual é importante. É pena que o Sérgio não possa estar. Se eu pudesse escolher, ele estaria. Se é uma vantagem? Não. O mais importante é o treino, o jogo é so o reflexo do treino. Da forma como o FC Porto se comporta e tem comportado nestes anos, seguramente estará preparado. Temos é de olhar pata este desafio que nos vai obrigar a estar fora da zona de conforto”.

CONFIANÇA DA EQUIPA: “Quando se trabalha sobre vitórias é evidente que o espírito é melhor, mas aqui pouco se notou outra coisa antes. Só tínhamos perdido quatro vezes, antes tínhamos empates, mas boas exibições, o ambiente foi sempre muito bom, sentimos sempre que a vitória estava perto. O último jogo foi uma grande exibição, regressámos às vitórias justamente. Contra o Arouca, seis titulares estavam no CNS há dois anos, entraram outros nessa condição. Isso enche-me de orgulho, ver estes jogadores a crescer e a chegar a este patamar e a mostrarem-se ao mais alto nível, é um orgulho. Vamos continuara a mostrar essa qualidade.”