Álvaro Pacheco: “Fomos muito melhores”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Treinador desagradado com a decisão do VAR, louvou “a coragem do assistente” e deu os parabéns à equipa.

Golo anulado: “Mas já há alguma imagem que prove que a bola está fora? A pessoa mais bem posicionada para tomar esta decisão é o assistente [Hugo Marques]. Ele decidiu que o lance foi válido. Não há nenhuma imagem que prove que a bola está fora. Quando não imagem clara e óbvia, o VAR não pode intervir e respeita-se decisão inicial. Se calhar é ilusão de ótica quando a bola está no ar. É um lance que marca. Marcávamos o segundo golo, a equipa tranquilizava. O Estoril gosta que as equipas saiam na pressão e nós não estávamos assim e íamos controlar o jogo e deixar o Estoril desconfortável. Mais uma vez, por um pormenor, não conseguimos. Quero dar os parabéns aos meus jogadores e ao assistente, que teve coragem para decidir corretamente.

Resultado injusto: “O que nos faltou foi estarmos mais tranquilos e serenos no último passe e na finalização. Nós fomos muito fortes a reduzir os espaços e a evitar que o Estoril quebrasse essa linha de pressão. Só depois do tal golo anulado é que o Estoril chegou à nossa área. Aproveitou a intranquilidade do golo anulado e uma desatenção nossa. Mas nos 90 minutos o Vizela foi muito melhor e merecia os três pontos

Estoril e Bruno Pinheiro: “É uma equipa à imagem do treinador, que eu gosto de ver. São duas equipas personalizadas, com estilos diferentes, mas ambas valorizam o espetáculo e esta indústria. Vizela e Estoril trouxeram coisas boas e novas à nossa Liga. Gosto do trabalho do Bruno, conheci-o o ano passado e criámos grande empatia. Tenho admiração por ele e espero encontrá-lo muitas vezes nestas andanças porque ele merece e as equipas dele jogam bom futebol e têm personalidade”.

Samu: Samu já não estava castigado. Isso foi há 15 dias. Importante é a demonstração do que ele é para a equipa. Tenho grande orgulho nele e em todos os jogadores. É fantástico partilhar tudo com eles. Com estas incidências, a equipa não desanima, não se desmonta. É um orgulho muito grande ser treinador desta equipa.