Arbitragem infeliz impediu outro resultado…

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A última partida oficial de 2018, que reunia todos os ingredientes para que se tornar num grande espetáculo desportivo, acabou por ter no trio de arbitragem o maior protagonista.

FC Vizela e Trofense, primeiro e segundo classificados, separados na tabela classificativa da Série A por 7 pontos, chamaram ao estádio muito público e o ambiente era digno de jogo grande.

A formação de Rui Amorim entrou fortemente determinada em adquirir vantagem. Ainda se jogava o minuto inicial e já Kuku, a passe de Fall, testava a atenção de Cavadas.

Aos 3’, o FC Vizela chegou mesmo a marcar por Correia, na sequência de um livre de Zé Valente, mas Daniel Cardoso invalidou o lance por suposta carga de João Oliveira sobre Asprilla.

Na resposta, o Trofense beneficiou de uma grande penalidade para se adiantar no marcador. Na sua primeira incursão rumo à área azul e branca, Bruno Moraes “cavou” um penálti a Weliton e coube ao próprio a transformação do castigo máximo em golo.

A reação do FC Vizela não se fez esperar. Aos 11’, Edu, com um corte providencial, evitou que Kuku pudesse finalizar ao segundo poste um bom cruzamento de Zé Valente.

Sobre o quarto de hora, Kaká, em excelente iniciativa individual, procurando romper a defensiva adversária, caiu dentro da área num lance dividido com Duarte, mas o árbitro nada assinalou.

Mais equipa, o FC Vizela continuou a carregar no ataque. Aos 18’, João Oliveira teve espaço na esquerda para cruzar ao segundo poste, só que Elísio antecipou-se a Kuku.

Com a equipa vizelense a remeter completamente o Trofense para o seu reduto mais recuado, só em contra-ataques raros é que a turma forasteira conseguiu chegar à área contrária. Foi o que sucedeu aos 21’, quando Bruno Moraes assistiu Duarte para um remate às malhas laterais.

Pouco depois, aos 26’, a numerosa plateia azul e branca, que já tinha mostrado a sua insatisfação no lance de Kaká, entrou em ebulição com novo golo anulado a Correia.

O juiz Daniel Cardoso interrompeu mais uma vez os festejos vizelenses, considerando que houve pretensa falta do avançado sobre Mika, quando ficou toda a ideia de que Correia preocupou-se apenas em cabecear o esférico para o fundo das redes. Um lance muito contestado no estádio.

O caldo ficaria mais entornado aos 38’. Na sequência de nova vaga ofensiva do FC Vizela, que, momentos antes, havia ameaçado de canto, Fall preparava-se para ultrapassar Asprilla e acabou abalroado pelo adversário dentro da área. Grande penalidade indiscutível que, nem o árbitro, nem o seu auxiliar da bancada nascente, conseguiram vislumbrar…

A adversidade destas incidências gerou grande revolta nas hostes vizelenses e a equipa procurava responder em campo com sucessivas oportunidades. Aos 43’, Correia cabeceou ligeiramente por cima da trave, a cruzamento de João Oliveira.

Durante a compensação da primeira parte, Daniel Cardoso lá apontou para a marca dos 11 metros a castigar derrube de Zid sobre Zé Valente. De forma artística, o maestro do FC Vizela empatou a partida mesmo em cima do descanso, repondo assim uma parte da justiça no marcador.

O segundo tempo começou praticamente com Felipe Augusto, antigo jogador do FC Vizela, a criar algum perigo com um remate ao lado, no seguimento de um canto.

Foi apenas um lance fortuito, pois, em seguida, a turma de Rui Amorim voltou a tomar conta do jogo e a produzir mais e melhores situações de golo.

Aos 56’, uma insistência de Kaká levou o perigo a rondar a baliza de Cavadas; no minuto seguinte, saída rápida de Kuku, a jogar para Zé Valente e este a servir Correia para o remate; finalmente, na conclusão do quarto de hora do recomeço, em novo lance de bola parada executado por Zé Valente, Correia tirou tinta ao poste com mais um cabeceamento recheado de intenção.

Inconformado, Rui Amorim reforçou o ataque com as inclusões de Leandro Souza e Leandro Borges. O primeiro começou por criar perigo aos 67’, em combinação com Rafael Viegas.

Contudo, aos 71’, Daniel Cardoso voltou a chamar a si todo o protagonismo. Num contra-ataque do Trofense, Felipe Augusto nem ia enquadrado frontalmente com a baliza, quando sofreu falta de João Faria. Ao invés de um cartão amarelo, que seria justificável, o árbitro puxou do vermelho direto, deixando toda a gente incrédula e os ânimos novamente inflamados nas bancadas.

Sem nunca desarmar, o FC Vizela continuou a ser a única equipa à procura da vitória, dispondo de uma série de situações de bola parada à entrada da área. Numa delas, aos 79’, Weliton surgiu para o cabeceamento rasante ao poste, porém o árbitro viu uma infração inexistente…

Até que, aos 85’, numa jogada digna de ser vista e revista, Zé Valente arrancou com a bola colada ao seu pé esquerdo em slalom e, à saída de Cavadas, fez o 2-1 para delírio dos adeptos.

Tudo parecia encaminhado para a conquista dos três pontos numa partida tão adversa. Por esta altura, entoavam-se os cânticos de bancada a bancada, que expressavam um sentimento de justiça perante todas as contrariedades a que o FC Vizela esteve sujeito.

Só que o Trofense, que até ali demonstrou satisfação pelo empate, foi atrevido nos longos 6’ de compensação. Cajó ainda respondeu com uma magnífica intervenção ao pontapé de Edu, mas nada pôde fazer para evitar o cabeceamento certeiro de João Pedro, no derradeiro instante.

Muito sabor a injustiça neste empate entre candidatos à subida, numa partida invariavelmente marcada pelo chorrilho de erros do trio de arbitragem liderado por Daniel Cardoso, de Aveiro.

Ainda assim, a jornada 15 deixou tudo na mesma no que respeita ao pelotão da frente, pois todos os principais concorrentes pela subida empataram.

O FC Vizela vai passar o ano como líder destacado, com os mesmos 7 pontos de vantagem sobre o Trofense, na antecâmara de outros dois exigentes jogos (São Martinho e AD Fafe).

 

FICHA DE JOGO

FC Vizela 2-2 CD Trofense

Árbitro: Daniel Cardoso (AF Aveiro)

Assistentes: Nélson Cardoso e Carlos Martins

FC Vizela: Cajó; Rafael Viegas, Weliton (C), João Faria e Kaká; João Oliveira, Tarcísio (Leandro Borges, 64’), Zé Valente e Kuku (Aidara, 74’); Correia e Fall (Leandro Souza, 59’).

Suplentes não utilizados: Rafa, Silla, André Soares e Igor Rocha.

Treinador: Rui Amorim

CD Trofense: Cavadas; Edu, Mika (C), Asprilla e Elísio; Zid (João Pedro, 82’), Paulo Pereira e Telmo Castanheira; Felipe Augusto (Pedro Matos, 82’), Bruno Moraes e Duarte (Moreno, 59’).

Suplentes não utilizados: Luís Monteiro, Diogo Silva, André Viana e Leandro Albano.

Treinador: Hélder Pereira

Golos: Bruno Moraes (5’, g. p.), Zé Valente (45’+2’, g. p. e 85’) e João Pedro (90’+6’).

Cartões Amarelos: João Oliveira (13’), Correia (26’), Zé Valente (32’), Telmo Castanheira (35’), Felipe Augusto (36’), Elísio (42’), Zid (45’+1’), Weliton (50’), Mika (70’) e João Pedro (90’+6’).

Cartão Vermelho: João Faria (71’).