Vitória sobre Montalegre valeu… apuramento!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A três jornadas do final da primeira fase, o FC Vizela concretizou o seu primeiro objetivo da época, que era garantir o acesso ao Play-Off de Promoção à 2.ª Liga.

Em plena quadra pascal, os pupilos de Carlos Cunha queriam dar essa prenda à sua massa associativa, embora não dependessem exclusivamente de si para o conseguir.

A derrota do Fafe em Mirandela, conjugada com os deslizes de alguns segundos classificados de outras séries, potenciou os festejos dos vizelenses que, antes disso, tiveram de ultrapassar um adversário de valor, conforme ficou, mais uma vez, provado nesta partida.

O Montalegre, que nos 10 jogos anteriores só havia sido derrotado uma única vez, veio à cidade termal com a firme disposição de discutir os pontos.

Por sua vez, o FC Vizela pretendia dar sequência ao bom desempenho (e resultado) da ronda anterior, pelo que, nos instantes iniciais, a tendência pertenceu naturalmente aos da casa.

Estavam cumpridos apenas 4’ de jogo e já os vizelenses davam indicações do que queriam. No seguimento de um livre, Weliton surgiu fulgurante a cabecear e a bola saiu muito perto do poste.

A resposta chegou momentos depois através de Tiago Oliveira, num cruzamento intencional após livre. Pedro Albergaria afastou o perigo com os punhos.

Aos 10’, novo lance de bola parada para o FC Vizela e nova situação iminente de golo. Desta vez, João Cunha ganhou o esférico ao segundo poste e o seu remate não saiu nada longe do outro.

O encontro manteve-se interessante neste primeiro tempo com a equipa de Carlos Cunha de olhos postos na baliza transmontana. Aos 17’, Cann cruzou bem, Correia respondeu de cabeça, mas a defensiva forasteira fez o corte. Logo a seguir, Felipe Augusto rematou à figura de Márcio.

O primeiro remate enquadrado por parte do Montalegre aconteceu apenas aos 24’, por intermédio de Bruno Lourenço. O disparo do meio da rua saiu ligeiramente por cima.

Talvez tenha sido uma espécie de aviso para demonstrar que o Montalegre estava em jogo, pois, aos 28’, Baba Sow, o melhor marcador da Série A, tirou o esférico da órbita de Weliton, antes de rematar colocado para a defesa atenta de Pedro Albergaria.

Até que, aos 34’, uma bela jogada de insistência do FC Vizela foi finalizada a preceito. Excelente o cruzamento de Gabi para o oportuníssimo Felipe Augusto cabecear para o fundo das redes.

A vantagem, adquirida numa fase importante do jogo, veio premiar o maior pendor ofensivo dos da casa ao longo da etapa inicial.

Os instantes finais do primeiro tempo foram marcados pela lesão de Márcio, guarda-redes do Montalegre que, após um violento choque com Correia, ficou bastante combalido, seguindo de imediato para uma unidade hospitalar próxima. Entrou então o ex. vizelense Tiago Guedes.

Para a segunda parte, o FC Vizela sabia que a vantagem tangencial tinha tanto de proveitosa como de perigosa, até porque o Montalegre não era um adversário qualquer.

E a prova disso foram os primeiros minutos, nos quais a formação transmontana deu claros sinais de inconformismo, atrevimento esse explícito nalguns lances de bola parada conquistados.

Felizmente, dessas situações não resultou qualquer embaraço e o FC Vizela, já com o velocíssimo Panin em campo, voltou a “pegar” no encontro.

Aos 60’, foi precisamente o atacante ganês quem esteve diretamente envolvido no primeiro grande lance de perigo da etapa complementar. Correia fez o cruzamento na esquerda e Panin, de primeira, disparou forte com a bola a sair ligeiramente ao lado.

Dez minutos depois, o FC Vizela espreitou novamente o segundo golo. Destaque para o excelente trabalho de João Oliveira (grande exibição do esquerdino), que furou pela direita até à linha de fundo, antes de servir de bandeja Panin, que não conseguiu concluir à boca da baliza.

Apesar dos indicadores positivos dados pelo FC Vizela em busca do tento da tranquilidade, da bancada começavam a surgir sinais inesperadamente opostos.

Esses sinais só beneficiaram o Montalegre que, em contragolpe, aos 80’, viu Iuri Gomes a isolar-se e a encontrar um “gigante” Pedro Albergaria pela frente. Grande mancha!

Só que, do lado vizelense, continuou a existir aquela equipa motivada de sempre e, dois minutos depois, de João para João, fabricou-se mais uma bonita jogada que resolveu a questão.

João Oliveira adicionou mais um belo apontamento à sua prestação individual com o cruzamento certo para o cabeceamento certeiro de João Paredes.

Com as bancadas, por agora, mais sossegadas, o FC Vizela até poderia ter concretizado uma terceira oportunidade por Correia, aos 86’.

O importante é que os 3 pontos ficaram na cidade termal e a prestação do Montalegre só veio valorizar o triunfo, que valeu muito mais que isso. Valeu o tão desejado apuramento!

Com três jornadas pela frente, a primeira das quais na Madeira, já no próximo sábado, dia 07 de Abril, o grupo de trabalho liderado por Carlos Cunha promete continuar a vencer, não só para manter a equipa com dinâmica de vitórias até à real discussão pela subida, mas também porque terminar a primeira fase no 1.º lugar trará sempre outro prestígio.

 

FICHA DE JOGO

Local: Estádio do FC Vizela (Vizela)

Árbitro: André Castro (AF Aveiro)

Assistentes: Pedro Gomes e Ricardo Silva

FC VIZELA: Pedro Albergaria (C); Gabi, João Cunha, Weliton e Nera; Evrard, João Oliveira e Joni (André Pinto, 62’); Felipe Augusto (João Paredes, 72’), Correia e Cann (Panin, 53’).

Suplentes não utilizados: Rafa, Zé Valente, Miguel Oliveira e Carlos Fortes.

Treinador: Carlos Cunha

MONTALEGRE: Márcio (Tiago Guedes, 40’); Michel (Iuri Gomes, 62’), Bruno Morais, Bela Tavares e Zack; João Fernandes, Bruno Lourenço e Baba Sow; Tiago Oliveira, Paulo Roberto (C) e Prince (Gabi, 74’).

Suplentes não utilizados: Fábio Pais, Aliu Cassamá, Bruno Barreto e Khali.

Treinador: José Manuel Viage

Golos: Felipe Augusto (34’) e João Paredes (82’).

Cartões Amarelos: Bruno Morais (38’) e Evrard (58’).