Assembleia aprovou alteração de Estatutos e expôs realidade financeira

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Realizou-se no passado sábado, dia 07, uma Assembleia-Geral Ordinária do FC Vizela, na qual estiveram presentes cerca de três dezenas de associados, numa sessão magna que decorreu no Auditório dos Bombeiros Voluntários de Vizela.

Na ordem de trabalhos, constava a apresentação do Relatório e Contas de 2018, uma proposta para alterar os Estatutos e uma outra sobre o novo Regulamento da AG.

Todos foram discutidos e aprovados por unanimidade, mas antes foi debatida a atual situação financeira do clube, explícita no saldo negativo de 57 mil euros, relativo às contas de 2018.

Eduardo Guimarães referiu que o novo método de atribuição de subsídios camarários “prejudicou o clube”, em comparação com outras coletividades que utilizam espaços municipais e, como tal, não têm as despesas que o FC Vizela tem.

Os apoios publicitários também têm sido cada vez menores, pois muitos vizelenses acreditam que o clube “está desafogado financeiramente”, devido à existência da SAD.

Contudo, Eduardo Guimarães esclareceu que se tratam de duas entidades distintas, sendo que apenas Seniores e Juniores estão sob a alçada do grupo de investimento asiático.

Tal situação lança a incerteza numa eventual recandidatura de Eduardo Guimarães, na medida em que, “se não houver mais apoio”, o seu ciclo terminará.

Voltando à alteração dos Estatutos, que não acontecia desde 1996, destaca-se a alteração da duração dos mandatos, de dois para três anos, e a obrigatoriedade da realização de duas sessões magnas por ano, uma até Março, para apresentação de Contas, outra até 15 de Dezembro, para apresentação do Plano e Orçamento.

O artigo 22.º, relativo às assembleias, sofreu alteração horária, ou seja, se até ao momento reunia uma hora depois com o número legal de associados em segunda convocatória, a partir de agora passará a reunir meia hora depois.

No que respeita ao Regulamento da AG, quando se tratar de um Ato Eleitoral, o sistema de voto passará a ser secreto, ao invés do sistema de braço no ar.

Além disso, será eliminada a figura de Presidente-Adjunto, passando o Presidente a escolher entre dois e seis Vice-Presidentes e também um número diferente de vogais.